segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Dor Fantasma


As personagens apresentadas neste espectáculo pelos actor / actriz Filipe Araújo e Susana Gaspar relatam episódios do ex-combatente Manuel Bastos, os quais são avaliados até às suas ínfimas e imponderáveis consequências. Os acontecimentos relatados são desmontados por um olhar lúcido, clínico e distanciado das personagens, apostadas em transmutar o horror da guerra em material de reflexão política (apartidária) ou em exercício extremo de auto-conhecimento.

A direcção foi de Mário Trigo, a dramaturgia de Paulo Campos dos Reis, a produção do Teatro Mosca e Teatro Focus e a autoria de Manuel Bastos.




















6 comentários:

indulging myself disse...

Embora não tenha visto a peça, sente-se o ambiente nestas fotos. As minhas "faves"- 2ª, 4ª e última.

Sandra disse...

Gosto particularmente da primeira (muito), da quinta e da última...

lapsus disse...

(De Manuel Bastos)

OLHAR LÚCIDO SOBRE A DOR

No difícil entendimento do mundo nenhuma linguagem substitui, antes acrescenta. A escrita, a voz… e a imagem. Olhar não basta mas ver também é insuficiente se queremos partilhar. A lucidez e a densidade da fotografia que regista e faz sentir.
Para ver e sentir: Imagens sobre a Dor Fantasma de Paulo Martins

Manuel Bastos disse...

Esse dueto de jovens actores merecem ser vistos e ouvidos. Têm eles também densidade. E têm sentimento,humanidade... e sabem mostrá-los, que é o que se espera dos actores.
As suas fotos, se me permite, permitem fazer muito mais do que "fazer sorrir" como disse... fazem parar. E uma foto que faz parar agarra o seu leitor pelo que vale.
Só lhe digo que parei longamente e repetidas vezes ao longo do blog. Cá voltarei frequentemente.
Bem-haja

lapsus disse...

Caro Manuel,

só lhe posso agradecer e esperar que a fotografia nos permita sempre sonhar.

Um abraço e até já.
Paulo

Olhar Lunar disse...

Gosto desse mundo das sombras.O pressentir a realidade é fascínio neste caso, ainda que ela seja crua. Talvez porque afinal às vezes a realidade também seja fascinante. Falando de fotos, já percebeste que a minha preferida é a primeira, apesar da série ser toda muito boa. São aqueles casos em que a idealização supera o real. Muito bem.